Medicação com selfie mede a responsabilidade pessoal

O sistema de medicação com selfie

É verdade que nada supera um toque pessoal. Como seres humanos, temos a necessidade de interação pessoal ou interação social. Nosso intenso envolvimento em plataformas de mídia social, como Facebook e Twitter, é um excelente exemplo dessa tendência.

Quando examinados um pouco mais, psicólogos concluem que, apesar da nossa propensão a, por vezes, querer escapar da morte, temos a necessidade de prestar contas. Por várias razões, ser monitorado por um tipo de Big Brother nos faz sentir menos isolados.

A maioria dos tipos de personalidade tem essa necessidade de prestar contas a algo ou a alguém, e esse conhecimento é útil para aplicação em todos os tipos de campos e dinâmicas. Mais recentemente, foi implementado como uma metodologia muito eficaz para levar os pacientes a tomarem seus remédios.

Eis a iniciativa da medicação com selfie.

Mantendo o controle das pílulas

A medicação com selfie é, em sua essência, um aplicativo de smartphone que ajuda as pessoas a tomarem suas pílulas. O paciente abre o aplicativo e, em seguida, começa a gravar um vídeo dele próprio tomando a medicação, conforme prescrito. O vídeo é encaminhado a alguém da clínica ou do centro médico do paciente, onde a receita foi prescrita pela primeira vez. A pessoa que recebe o vídeo é empregada em uma posição dedicada ao monitoramento de pacientes e à administração de medicamentos.

De acordo com uma página de um jornal popular, esta já é uma rotina diária de muitos pacientes no estado de Houston, e a prática da medicação com selfie está pagando dividendos em favor do sistema geral de administração de saúde do estado. Em suma, a prática da medicação com selfie está substituindo a necessidade de a equipe de enfermagem visitar as residências dos pacientes, a fim de garantir que eles realmente estejam tomando seus remédios, conforme exigido e prescrito. Colocar o paciente no comando de seu próprio cronograma diário por meio do aplicativo é um processo muito mais barato.

Em Houston, assim como em várias outras cidades, a tecnologia está atualmente sendo empregada no tratamento de pacientes com tuberculose. Em uma clínica no Tennessee, a iniciativa da medicação com selfie está sendo usada no tratamento eficaz da dependência de opiáceos, e os pesquisadores estão atualmente investigando a eficácia do sistema no tratamento da Hepatite C.

Médicos aproveitam a geração da selfie

A questão da vida e da morte

A medicação com selfie é um processo de intervenção tecnológica que tem como objetivo resolver um problema muito real no sistema mundial de administração da saúde. As estatísticas sugerem que as pessoas não são muito prudentes quando se trata de completar os ciclos da medicação, até 50% do tempo. Esse problema é tão grave que a tendência está causando mais de 100 mil mortes por ano. Ao considerar que a falha em tomar corretamente a medicação prescrita é uma questão de vida ou morte, começa-se a entender por que uma medida mais forte de responsabilidade pessoal se tornou necessária.

O mundo é digital

Outra alternativa sugerida, no lugar da medicação com selfie, é o uso de transmissores digitais. Com os avanços feitos no campo da nanotecnologia, não é mais uma coisa de outro mundo adequar a medicação aos transmissores digitais para monitorar se um paciente realmente engoliu suas pílulas. Esse tipo de tecnologia pode ser usado para tudo, desde compras on-line, até um cassino on-line e, agora, para melhorar o sistema de saúde pública.

Problemas de privacidade e perigos potenciais

Tal como acontece com a maioria das novas ideias, há preocupações sobre o sistema de medicação com selfie, com a privacidade sendo uma das principais. Outro desafio é o da consequência. O que acontece quando um paciente não faz o upload do vídeo dele tomando a medicação? Como a lei não permite qualquer repercussão para pacientes que recusam medicação, quais serão as consequências? Sugestões foram feitas para encorajarem os pacientes a tomarem suas pílulas, incluindo um sistema em que as seguradoras médicas não paguem por medicamentos, a menos que aqueles a quem são prescritos provem que estão tomando as pílulas.

No fim, todo sistema tem suas falhas, mas a medicação com selfie é um que parece ter mais prós do que contras, e como pode salvar vidas, é mais um exemplo de como a tecnologia está mudando o mundo em que vivemos para melhor.